Warning: getimagesize(copia di 100_1519.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /web/htdocs/www.compagniamissionaria.it/home/class/init.php on line 1702
Logo
COMPAGNIA MISSIONARIA
DEL SACRO CUORE
una vita nel cuore del mondo al servizio del Regno...
Compagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia Missionaria
A herança que me deixou Teresa
Posted by Maria Lúcia Amado Correia
A consagração é uma plenitude

Teresa Giordani ingressou na CM quando tinha 36 anos, em 1957, ano do nascimento do nosso Instituto; era já professora primária. Fez a sua consagração a Deus na CM quatro anos depois, em 1961. A respeito desta consagração ouvi contar uma história que sempre guardei no escrínio da minha memória como algo de muito precioso e significativo. Ao regressar à Escola, dias depois da cerimónia da consagração, com a aliança no dedo, uma das suas pequenas alunas, sem nada dizer, agarrou-lhe a mão e beijou-lha. Teresa contava sempre este facto emocionada. Que intuição fora a daquela criança que a levara a captar o mistério que acontecera na vida da jovem mulher, sua professora?
Voltei muitas vezes a este facto quando tentava perceber o que era a nossa consagração, o que ela significava em si mesma e como poderia irradiar, aquém ou além do nosso operar. E vêm-me ao pensamento algumas palavras de Paulo VI (26/9/70) quando diz: «a vossa consagração não será apenas um compromisso, será uma ajuda, será um apoio, será um amor, será uma beatitude a que podeis sempre recorrer; uma plenitude que compensará qualquer renúncia e que vos habilitará para aquele maravilhoso paradoxo da caridade: dar, dar aos outros, dar ao próximo para ter em Cristo». Esta nossa consagração que, sabemo-lo, se radica na consagração baptismal, radicaliza os compromissos da mesma e a exprime mais perfeitamente (cfr. P.C. n.5) tem uma sua consistência, tem um valor em si mesma, marca-nos ontologicamente. É a íntima e secreta estrutura do nosso ser e do nosso agir. É a nossa riqueza profunda e velada que as pessoas no meio das quais vivemos não sabem explicar e, muitas vezes, nem sequer podem suspeitar (cfr. Paulo VI, 20/9/72). È, na verdade, um amor, uma beatitude, uma plenitude.
A consciência da consagração assim entendida e vivida é uma das heranças que eu guardo da Teresa (bem como, por exemplo, da Antonieta Biavati). Algo de profundamente espiritual mas não evanescente, algo que se tocava como a mais sólida das realidades.
Quando nos lamentamos que hoje a consagração em si mesma deixou de ser captada como um valor, falamos dos outros ou não estaremos a falar de nós mesmas? Acreditamos que a nossa «é uma forma de consagração nova e original», fruto da criatividade do Espírito Santo que nos semeou nos sulcos desta história e na discreta trama do tempo? Ou deixamo-la emurchecer e descolorir antes que dê todos os frutos a que estava destinada? Ou passamos imediatamente ao tempo operativo do fazer e dos afazeres, sem o tempo ontológico do ser que é espaço interior, reino pessoal, tesouro onde se guardam as possibilidades escondidas e imprevisíveis de cada um/a de nós, o seu reino secreto? E sem alcançarmos o tempo contemplativo que não é evasão mas espaço para viver o diálogo de amor com Deus que permanece para nós um mistério vital (cfr. Est. n.64) e que nos leva a descobrir este amor de Deus operante na história e a fazer nossas as inquietações dos nossos companheiros/as de viagem e a sua sede de esperança e salvação (cfr.Est, n.65), que outra coisa não é que sede de VIDA, de vida eterna, uma vida em que nada se perde e a nada se renuncia, mas tudo se recupera na luz de Deus?

A capacidade de iniciar coisas novas

Em 1981, quando iniciou a nova experiência de trabalho – dar aulas num dos hospitais de Bolonha - Teresa tinha 60 anos. Deixara de ser a jovem consagrada de um tempo mas, apesar do seu ar tranquilo, nada irrequieto, não deixara a sua capacidade de sonhar e de começar coisas novas. Mantinha aquela agilidade que lhe brotava da sua consciência de mulher consagrada; consagrada, precisamente, para uma missão de «amor e serviço na Igreja e no mundo» (Est. n.12), uma missão, cujas concretizações era necessário continuar a buscar e discernir, dado que o tempo era de mudanças, de grandes mudanças.

Diante de vidas simples, marcadas sobretudo pela quotidianidade, como foi a da Teresa, tudo parece normal, óbvio, previsto. Mas, de facto, não é, como podemos avaliar, por contraste, diante das resistências de tantas pessoas (também entre nós) a uma mudança de grupo, a um novo trabalho, a uma iniciativa que leve a um ambiente diverso do que habitualmente frequentamos. É necessário ser-se esculpida por uma série de virtudes que dão agilidade ao ser e geram atitudes de pronta resposta ao que a vida sugere e Deus nos pede.

Uma anciã forte e serena

Ter visto envelhecer a Teresa, considero-o um presente que Deus me fez. Vi-a a pouco e pouco ficar menos ágil no seu corpo, reduzir os seus movimentos, mas nunca se deixou cair em lamúrias. Quando lhe perguntava como estava, ela dizia a verdade: tinha dores, muitas dores. Intui, em alguns momentos, que para não deixar a irmã Maria, se privava de alguns tratamentos que lhe poderiam dar alívio. Mas predominava sempre nela a aceitação serena e humorística (que já foi recordada por outras missionárias).
O nosso RdV diz a certo ponto o seguinte: «Viveremos a doença, a velhice e qualquer outra situação difícil com sentido de fortaleza, sem exigências e como oferta oblativa pela redenção do mundo». Lembro-me que quando escrevemos e aprovamos o RdV, algumas de nós achavam este ponto muito duro, também se ele deve ser lido em contraponto com outras expressões e exigências que recomendam a delicadeza, a comunhão activa e a caridade para com as missionárias doentes ou idosas (cfr. Est. e RdV n. 76). Foi assim que Teresa viveu as grandes mudanças dos seus últimos anos: deixar a sua casa e ir com a irmã para uma casa de repouso; deixar esta (que devia ser restaurada) e buscar uma outra. E o sucessivo estádio com a cadeia de doença e de fragilidade que se seguiu. Nenhum vitimismo, nenhum azedume; às vezes a trepidação de um ser frágil diante das convulsões que fazem parte da vida (penso no momento delicado que foi a busca de um novo poiso, quando teve que deixar a primeira casa de repouso). Mas até ao fim prevaleceu o seu olhar descentrado de si e poisado sobre os outros, atento e confiante sobre toda a nossa Família CM.
Apesar do ambiente pesado que caracteriza todas as casas de repouso, quando a ia visitar, voltava sempre com uma ligeireza dentro, grata pelo exemplo desta missionária da primeira hora, que não vivia a estéril nostalgia de quem olha para trás e se põe a fazer «uma lamentação sobre o tempo passado, sobre uma gloriosa idade de ouro», coisa que como diz o arcebispo de Westminster (cfr. Regno 7/2009), «não é um canto cristão». «Não é o canto da fé, mas do desespero, porque a nossa fé oferece-nos a visão não do que foi, mas do que será» (Ibid). E, por isso, como contava Santina no artigo escrito em “Vinculum” de Outubro 2010, Teresa podia entregar o seu trabalho inacabado e, com confiança no Senhor que vem do Futuro e nas missionárias de hoje, dizer: «Agora ide vós em frente...».
Para terminar, apenas um aceno à capacidade de Teresa de tecer relações. O pároco recordou-o na missa do funeral quando disse que a missa das 8, ao domingo, era a mais bela, já que contava com a animação de um grupo de cerca de 30 pessoas, que Teresa animava. Relações simples, mas que perduravam no tempo. Sempre na missa do funeral estava a mãe de um seu aluno! Relações que Teresa continuou a tecer até ao fim. No final da missa do funeral uma senhora, chorando, aproximou-se de Ana Maria e pediu-lhe o texto que ela lera a despedir-se de Teresa. E disse-lhe: «Eu trabalho em “Villa Emma” e a relação que estabeleci com Teresa foi profunda e muito importante para a minha vida». De notar que o tempo que Teresa viveu naquela casa não chegou a dois anos!

Bem-hajas, Teresa! Ajuda-me e ajuda-nos a seguir os teus passos: a viver com fortaleza, com doçura, com jovialidade todas as idades da nossa vida, também a terceira e a quarta, com tudo aquilo que as há-de caracterizar. E ajuda-nos a ser sempre sentinelas no território onde vivemos para ler os sinais dos tempos e fazer crescer as sementes do Reino, conscientes que hoje um destes sinais é, precisamente, o apelo da relacionalidade; o apelo a construir redes de relações simples, concretas, vitais, existenciais. Não será este um apelo que se conjuga bem com a espiritualidade de comunhão que nos caracteriza ou deveria caracterizar? Redes de comunhão que impeçam o isolamento (de nós mesmas e dos outros), sabendo que os sonhos bons só podem nascer num contexto de solidariedade e de comunhão.
Condividi l'articolo su:
Logo
COMPAGNIA MISSIONARIA DEL SACRO CUORE
Via A. Guidotti 53, 40134 - Bologna - Italia - Telefono: +39 051 64 46 472

Follow us on Facebook