Logo
COMPAGNIA MISSIONARIA
DEL SACRO CUORE
una vita nel cuore del mondo al servizio del Regno...
Compagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia MissionariaCompagnia Missionaria
Compagnia Missionaria del Sacro Cuore
 La COMPAGNIA MISSIONARIA DEL SACRO CUORE è un istituto secolare, che ha la sede centrale a Bologna, ma è diffuso in varie regioni d’Italia, in Portogallo, in Mozambico, in Guinea Bissau, in Cile, in Argentina, in Indonesia.  All’istituto appartengono missionarie e familiares Le missionarie sono donne consacrate mediante i voti di povertà, castità, obbedienza, ma mantengono la loro condizione di membri laici del popolo di Dio. Vivono in gruppi di vita fraterna o nella famiglia di origine o da sole. I familiares sono donne e uomini, sposati e non, che condividono la spiritualità e la missione dell’istituto, senza l’obbligo dei voti.
News
  • 21 / 06 / 2019
    IX ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DA COMPANHIA MISSIONÁRIA DO CORAÇÃO DE JESUS
    Realizar-se-á no CENÁCULO MARIANO em Borgonuovo di Pontecchio Marconi – Bologna – Italia ... Continua
  • 21 / 06 / 2019
    IX ASAMBLEA GENERAL ORDINARIA DE LA COMPAÑÍA MISIONERA DEL SAGRADO CORAZÓN
    a realizarse en el CENÁCULO MARIANO en Borgonuovo di Pontecchio Marconi – Bolonia - Italia DE... Continua
  • 21 / 06 / 2019
    IX ASSEMBLEA GENERALE ORDINARIA DELLA COMPAGNIA MISSIONARIA DEL SACRO CUORE
    si terrà al CENACOLO MARIANO a Borgonuovo di Pontecchio Marconi – Bologna - Italia DAL 19 AL ... Continua
betania
 
NUEVA SEDE DE LA COMPAÑÍA MISIONERA EN S. ANTONIO ABATE Bianca, Lucía y Luisa somos misioneras que hace 10 años estamos presentes en S. Antonio Abate. Vivimos junto al Santuario del Niño Jesús, de los Padres Dehonianos con quienes colaboramos en la pastoral, pero también trabajamos en otras parroquias y no faltan las iniciativas propias. Desde hace un tiempo sentimos la falta de un lugar “nuestro”, que nos hiciera presentes en este lugar como mujeres, laicas consagradas pertenecientes a la Compañía Misionera del Sagrado Corazón. Para responder a esta exigencia pensamos en una sede, donde poder realizar, en comunión con la Iglesia local, actividades nuestras, dando una imágen más clara de nuestra identidad. En nuestro ambiente , además hay una especial necesidad de formación en todos los ámbitos. Creemos que una sede propia nos permitirá desarrollar este servicio de manera más libre y creativa. Un nombre evocativo Gracias a la indicación de nuestra querida amiga Rosetta Todisco, arrendamos dos salas muy lindas en calle Nocera 158160, a pocos pasos del Santuario. Después de las peripecias de los contratos, la luz, el agua....y de haber hecho los arreglos necesarios, la tarde de el 1º de diciembre 2011, en un clima de oración y de fiesta, p. Fausto, rector del Santuario, con la presencia de numerosos amigos, inaguró y bendijo la nueva sede con el nombre de Betania. Elegimos este nombre por el Evangelio que nos habla de la casa de Betania, donde Jesús iba con gusto para pasar momentos de descanso y de alegre amistad, confortado por el delicado servicio de Marta, por la escucha atenta y contemplativa de María y por la sincera y confiada amistad de Lazaro, que El resucitará. Betania también nos recuerda que María toma trescientos gramos de perfume de puro nardo, caro, y los derrama a los pies de Jesús y luego lo enjuga con sus cabellos , y toda la casa se llenó del aroma de aquel perfume. Para nosotras es un fuerte y entusiasmante compromiso el hacer que nuestra sede sea una auténtica Betania, así como nos decía p. Albino en los primeros tiempos de la Compañía Misionera: “Nuestra casa debería ser como una Betania”, un lugar donde Jesús pueda estar con gusto y encontrar una cálida acogida, caridad y espíritu de servicio; un lugar también de recíproca acogida, de fraternidad, de escucha de la Palabra y de oración, donde se celebra el amor del Señor Jesús y se contempla el misterio de Su Corazón Traspasado por amor; donde se aprende el estilo del servicio y de la convivencia en el humilde y alegre testimonio de la fe en el Resucitado. [img2bcx] Algunas imágenes Quisimos enriquecer las paredes del lugar con algunas imágenes significativas que expresen a quien entre, el espíritu que anima esta casa. Impacta el gran icono de Nuestra Señora de la Ternura, de Vladimir. Es parte de nuestra espiritualidad rendir honor a María, como enseña la Iglesia: a ella nos consagramos todos los días para que reine en nuestra familia, tome posesión, para que sea el pequeño reino de su Corazón y del Corazón de Jesús. Al centro, la imágen de Jesús crucificado con el Corazón Traspasado, con los angeles que recogen su sangre, muy venerada en nuestra Familia. No podía faltar una imágen muy significativa de la cena de Betania, narrada en el capítulo 12 del Evangelio de Juan. Cuando ya habíamos finiquitado el arriendo supimos que allí estuvo y se veneraba la pequeña estatua del Niño Jesús, por iniciativa de dos devotas, que luego con ayuda de la gente y de un sacerdote, hace sesenta años, construyeron el Santuario. Esta imagen fue robada, con gran sufrimeinto de la población, que tenía gran devoción. Cuando p. Aldo, dehoniano de la comunidad del Santuario, muy amigo de las fundadoras, nos contó, nos pareció que era un signo de la Providencia y colocamos en nuestra sede una copia de la más antigua fotografia del Niño Jesús de S. Antonio Abate y, recuperando una querida tradición, los 25 de cada mes, programamos un encuentro de oración. Lugar de formación Ahora trataremos de incremetar la actividad formativa y recreativa que sean de ayuda para el crecimiento humano y cristiano de quienes tengamos la oportunidad de encontrar . Nuestro programa comprende ya la Lectio semanal de la Palabra del domingo, un retiro mensual, encuentros de formación al voluntariado internacional. Un espacio relevante le daremo al tema recomendado por los Obispos italianos sobre la educación, que para nosotros resuena como llamado fundamental , realmente urgente para todos. Es necesario promover la sensibilidad y responsabilidad del laicado, para que asumas tareas educativas en la Iglesia y en la sociedad: “laicos misioneros que lleven el primer anuncio del Evangelio a las casas y entre los inmigrates; acompañantes de los padres que piden para sus hijos el bautismo, los sacramentos de iniciación; catequistas parta el catecumenado de los jovenes y de los adultos; formadores de los educadores y de los docentes; evangelizadores de las calles, en el mundo de la delicuencia y de la cárcel y de las distintas formas de pobreza […] Nos damos cuenta también de la necesidad de educar a la ciudadanía responsable. La dinamica social actual aparece marcada por una fuerte tendencia individualista que desvaloriza la dimensión social, hasta reducirla a la restricción necesaria, como el precio a pagar para obtener un resultado conveniente según los propios intereses. En la visión cristiana el hombre no se realiza solo, sino gracias a la colaboración de los demás y buscando el bien común. Por esto se necesita una seria educación a la socialización y a la ciudadanía, mediante una amplia disfusión de los principios de la doctrina social de la Iglesia capacitando las escuelas para un compromiso social y político. Un cuidado especial se reservará para el servicio civil y las experiencias de voluntariado en Italia y en el exterior. Se deberá sostener el crecimiento de una nueva generación de laicos cristianos, capaces de comprometerese a nivel politico con competencia y rigor moral” [img3bdx] Con gusto cito un párrafo del mensaje del Santo Padre Benedicto XVI para la jornada de la paz del 1° de enero 2012: “La educación es la aventura más fascinante y difícil de la vida. Educar –que viene de educere en latín– significa conducir fuera de sí mismos para introducirlos en la realidad, hacia una plenitud que hace crecer a la persona. Ese proceso se nutre del encuentro de dos libertades, la del adulto y la del joven. Requiere la responsabilidad del discípulo, que ha de estar abierto a dejarse guiar al conocimiento de la realidad, y la del educador, que debe de estar dispuesto a darse a sí mismo. Por eso, los testigos auténticos, y no simples dispensadores de reglas o informaciones, son más necesarios que nunca; testigos que sepan ver más lejos que los demás, porque su vida abarca espacios más amplios. El testigo es el primero en vivir el camino que propone.” En esta linea queremos comprometernos para dar con sencillez y amor lo mejor de nosotras mismas al servicio del reino de Dios.
betânia
 
NOVA SEDE DA COMPANHIA MISSIONÁRIA EM S. ANTONIO ABATE Nós missionárias – Bianca, Lucia e eu – estamos presentes há já dez anos em S. Antonio Abate. Habitamos nos anexos do Santuário do Menino Jesus, acolhidas pelos Padres Dehonianos com os quais colaboramos na pastoral, mas trabalhamos também noutras paróquias e não faltam iniciativas nossas. Há um certo tempo que sentíamos a falta de um lugar “nosso”, que marcasse neste território a nossa presença de mulheres leigas consagradas pertencentes à Companhia Missionária do Coração de Jesus. Para responder a esta exigência pensámos arranjar uma sede, distinta da nossa habitação, onde realizar, em comunhão com a Igreja local, as nossas actividades, dando uma imagem mais clara da nossa identidade. No nosso ambiente, além disso, existe uma particular necessidade de formação em todos os âmbitos. Acreditamos que uma sede nossa nos vai permitir desenvolver este serviço de modo mais livre e criativo. Um nome evocativo Graças às indicações da nossa amiga Rosetta Todisco, alugámos duas divisões muito bonitas na Rua Nocera 158/160, a poucos passos do santuário. Depois das peripécias para os vários contratos de aluguer, da luz e água...e depois de termos arrumado o ambiente, no dia 1 de Dezembro de 2011, num clima de oração e de festa, P. Fausto, reitor do Santuário, trouxe-nos a bênção do Senhor e, com a presença de numerosos amigos, inaugurámos a nova sede com o nome de Betânia. Escolhemos este nome precisamente em referência aos passos do Evangelho que nos falam da casa de Betânia, onde Jesus gostava de ir para passar momentos de descanso e de alegre amizade, confortado pelo serviço premuroso de Marta, pela escuta atenta e contemplativa de Maria e pela sincera amizade de Lázaro que Ele ressuscitará dos mortos. Betânia recorda-nos também que Maria usou trezentas gramas de perfume de puro nardo, muito precioso, e com elas banhou os pés de Jesus, enxugando-os depois com os seus cabelos, e toda a casa se encheu daquele perfume. Queremos empenhar-nos com força e entusiasmo para fazer da nossa sede uma autêntica Betânia, precisamente como nos dizia P. Albino nos primeiros tempos da Companhia Missionária: “A nossa casa deveria ser como uma Betânia”, um lugar onde Jesus gosta de habitar por encontrar ali um caloroso acolhimento, caridade e espírito de serviço; um lugar também de acolhimento recíproco, de fraternidade, de escuta da Palavra e de oração, onde se celebra o amor do Senhor Jesus e se contempla o mistério do seu Coração Trespassado por amor; um lugar onde se aprende o estilo de serviço e de partilha no humilde e jubiloso testemunho de fé no Ressuscitado. [img2bcx] Alguns ícones Quisemos enriquecer as paredes do ambiente com algumas imagens significativas que exprimam para quem entra o espírito que anima esta casa. Ressalta imediatamente o grande quadro da Nossa Senhora da ternura, de Vladimir. Faz parte da nossa espiritualidade honrar Maria, como nos ensina a Igreja: a ela nos consagramos todos os dias para que reine na nossa família, tome posse desta e a ajude a ser o pequeno reino do seu Coração e do Coração de Jesus. Mas, ao centro, está a imagem do Crucificado com o coração trespassado, com os anjos que recolhem o sangue, muito venerada na nossa Família. Não podia faltar um ícone com a ceia de Betânia, narrada no capítulo 12 do Evangelho de João. Quando já tínhamos contratado o aluguer deste espaço, descobrimos que precisamente ali tinha sido acolhida e venerada a pequena estátua do Menino Jesus, por duas devotas que depois, com a ajuda da gente do lugar e de um sacerdote, setenta anos atrás construiram o Santuário. Infelizmente esta cara imagem foi roubada, com grande sofrimento da população, que por ela nutria muita afeição. Quando P. Aldo, dehoniano da comunidade do Santuário, muito amigo das fundadoras, nos deu esta notícia, pareceu-nos um sinal da Providência e colocámos na nossa sede uma antiga fotografia do Menino Jesus de S. Antonio Abate e, recuperando uma prezada tradição, no dia 25 de cada mês, propromos um encontro de oração. Lugar de formação Agora trata-se de incrementar actividades formativas e também recreativas que possam ajudar o crescimento humano e cristão das pessoas que teremos oportunidade de encontrar. O nosso programa compreende já a Lectio semanal sobre a Palavra do domingo, um retiro mensal, encontros de formação para o voluntariado internacional. Um espaço relevante dá-lo-emos ao tema recomendado pelos Bispos italianos sobre a emergência educativa que nós consideramos um apelo fundamental e verdadeiramente urgente. Ocorre promover uma maior responsabilidade do laicado, de modo que germine a sensibilidade que leva a assumir tarefas educativas na Igreja e na sociedade: “leigos missionários que levem o primeiro anúncio do Evangelho às casas e entre os imigrantes; acompanhantes dos pais que pedem o baptismo ou os sacramentos da iniciação; catequistas para o catecumenado dos jovens e dos adultos; formadores dos educadores e dos professores; evangelizadores de estrada, no mundo dos extraviados, das prisões e das diversas formas de pobreza. [...] Damo-nos conta, por fim, da necessidade de educar para uma cidadania responsável. A actual dinâmica social mostra-se marcada por uma forte tendência individualista que desvaloriza a dimensão social, até a reduzir a uma obrigação necessária e a um preço a pagar para obter um resultado vantajoso para o próprio interesse. Na visão cristã o homem não se realiza só, mas graças à colaboração com os outros e à cidadania, mediante uma ampla difusão dos princípios da doutrina social da Igreja, também relançando as escolas de formação ao empenho social e político. Reserve-se uma atenão particular ao serviço civil e às experiências de voluntariado em Itália e no estrangeiro. É necessário apoiar o crescimento de uma nova geração de leigos cristãos, capazes de se empenharem a nível político com competência e rigor moral”. [img3bdx] Apraz-me citar também uma passagem tirada da mensagem do Santo Padre Bento XVI para o dia da paz do 1º de Janeiro de 2012: “A educação é a aventura mais fascinante e difícil da vida. Educar – na sua etimologia latina educere – significa conduzir para fora de si mesmo ao encontro da realidade, rumo a uma plenitude que faz crescer a pessoa. Este processo alimenta-se do encontro de duas liberdades: a do adulto e a do jovem. Isto exige a responsabilidade do discípulo, que deve estar disponível para se deixar guiar no conhecimento da realidade, e a do educador, que deve estar disposto a dar-se a si mesmo. Mas, para isso, não bastam meros dispensadores de regras e informações; são necessárias testemunhas autênticas, ou seja, testemunhas que saibam ver mais longe do que os outros, porque a sua vida abraça espaços mais amplos. A testemunha é alguém que vive, primeiro, o caminho que propõe”. É nesta linha que tencionamos empenhar-nos para dar, com simplicidade e amor, o melhor de nós mesmas ao serviço do Reino de Deus.
festa dell'eccomi
 
Per noi della Compagnia Missionaria è sempre stato importante celebrare la solennità del’Annunciazione del Signore, data a noi cara perché il 25 marzo del 1958 l’allora cardinale Giacomo Lercaro ci dava la prima approvazione dello Statuto, e soprattutto perché il si di Gesù e di Maria costituiscono nella nostra spiritualità il centro e lo stile della nostra vita. Qui a Bologna sta diventando ormai tradizionale, organizzare in occasione di questa “GIORNATA DELL’ECCOMI, un Convegno o meglio una giornata da vivere insieme in fraternità e amicizia tra noi missionarie, familiares, famiglia dehoniana, amici e conoscenti che da tanti anni ci seguono. Quest’anno ci siamo ritrovati il 24 marzo presso l’Auditorium del Villaggio del Fanciullo. La giornata è primaverile e comincia con gli arrivi, volti conosciuti, abbracci esclamazioni e sorrisi, il clima festoso che ci caratterizza quando ci ritroviamo, ci sono arrivi da Grottammare, da S.Antonio Abate, da Milano, da Monguelfo, Conegliano, Bologna e anche da Via Guidotti; a casa rimangono solo Anna e Padre Albino, affidati alle cure di Cecilia. Anna Maria ci da il benvenuto “ufficiale” e passa la parola a padre Luca Zottoli scj a cui questa volta è affidata la riflessione della mattinata sul tema “Venga il tuo Regno”. Facendo una sintesi cosi a caldo di tutta la ricchezza della riflessione gli spunti che emergono sono veramente interessanti e numerosi P. Luca introduce sottolineando che questo Regno è la passione, il chiodo fisso, il pallino di Gesù; e se nel cuore del Vangelo c’è la preghiera del Padre nostro, nel Padre nostro il cuore è “ venga il tuo regno”. Il regno è qualcosa che si attende, che non esiste in maniera completa, attendere questo regno caratterizza la nostra vita, allo stesso tempo il regno di Dio è presente, “è qui e adesso”, è operante, dinamico; e i suoi destinatari sono i piccoli, i poveri i peccatori. Un altro aspetto da tener presente parlando del regno e che non va inteso come lo pensiamo noi, con le nostre categorie umane, allora proviamo a sostituire la parola “regno” con “Dio regna”. Come Dio regna? Servendo, donando la vita, sconfiggendo la morte. Quando Dio regna? Quando la donna peccatrice è perdonata, quando Zaccheo si converte, quando il paralitico cammina. Quando ognuno di noi dice si all’offerta che Dio ci fa. Gesù si inserisce in un contesto che attendeva l’avvento del regno di Dio, un regno che risollevasse anche le sorti del Paese sotto l’occupazione romana. Il regno arriva ed è Gesù stesso, a differenza degli altri rabbi e maestri che erano scelti da chi li voleva seguire, è Lui che sceglie e chiama. “Eccomi” è a partire dal presupposto che Dio ci chiama. Il cuore del messaggio del regno è la rivelazione che Dio è Abba = papà, la parola è stata inventata da Gesù, in una cultura del sacro che separava nettamente il sacro dal profano il punto centrale, il punto forza è il rapporto con il Padre. La parabola più scomoda sul regno di Dio è quella di Matteo 20, 1-16: gli operai mandati nella vigna. E’ una delle parabole che ci sconvolge salutarmente, e ci fa capire che Dio non è come lo vogliamo noi, per Dio ci sono i figli, che per lui sono tutti i primi. Dio regna non rispondendo al male con il male, ma assumendolo su di se che è l’unica maniera di vincerlo, la morte è più forte della vita, ma più forte della morte è l’Amore che restituisce la vita in modo più forte, più piena. L’amore di una persona che è stata dentro il male ci dà la possibilità di ripartire in qualsiasi situazione ci troviamo, e questa possibilità parte sempre da Lui e non da noi, Lui entra a porte chiuse. Dio Regna, e noi ce ne accorgiamo vedendone gli effetti che concretamente sono le persone che cambiano. Gli apostoli da persone paurose e timide che erano sono diventati tutti martiri. La riflessione presentata è veramente un valido strumento da approfondire e calare nella nostra vita. Come suggerimento veniamo invitati a riprendere fra le mani l’Evangeli Nuntiandi di Paolo VI, ancora una valido testo per riflettere sulla centralità del Regno di Dio. Ci avviamo poi nella cappella dello Studentato per partecipare all’Eucarestia, momento centrale di questa nostra giornata, momento privilegiato che rafforza la comunione con Dio e fra noi che siamo presenti qui, con la CM sparsa per il mondo, e quella che ci accompagna dal cielo. Il pranzo insieme è un altro momento festoso vissuto con semplicità, ed è anche il momento per scambiarci più notizie, aggiornarci, ricordare persone conosciute e fatti che abbiamo vissuto insieme. Discorsi a volte seri a volte più scherzosi mentre gustiamo quello che ci viene servito, e essendo a Bologna, non possono mancare …le lasagne al forno! Nel pomeriggio ascoltiamo l’intervento di P. Marcello scj che con un linguaggio simpatico e sciolto partendo dal 4 novembre 1912 fa un escursione dei 100 anni della presenza dei Dehoniani nella città di Bologna. Sono varie le iniziative che quest’anno celebreranno questo centenario, ed è bello che anche questa nostra iniziativa CM è segnalata e trova spazio in questo centenario. Arrivando al 1957 la parola viene passata a Lucia Correia che continua con la storia di questo ramo CM nato da quell’unico albero, che ha le sue radici nel carisma di Padre Dehon che si alimenta e cresce bevendo dalla stessa sorgente della spiritualità del Cuore trafitto di Cristo. Anche Giannina, ritornata in questi giorni dal Mozambico, si inserisce con una testimonianza concreta sulla sua e nostra presenza in Mozambico. Cosi arriviamo alle partenze e saluti finali che riportano ciascuno a casa, al ritorno nelle nostre realtà quotidiane, dove siamo chiamati a rispondere concretamente “ECCOMI” . Come tutte le esperienze che si vivono l’importante è come si vive il dopo. E penso che l’esserci fermati insieme, l’esserci ricaricati, e rafforzati nella comunione fraterna, ci aiuterà senz’altro a camminare con più forza e entusiasmo sulla strada…. verso il Regno
dia do “eis-me aqui” em bolonha
 
Para nós, da Companhia Missionária, foi sempre importante celebrar a solenidade da Anunciação do Senhor, uma data que gostamos de recordar porque em 25 de Março de 1958 o Cardeal Giacomo Lercaro, na altura bispo de Bolonha, dava-nos a primeira aprovação do Estatuto e, sobretudo, porque o sim de Jesus e de Maria constituem na nossa espiritualidade o centro e o estilo da nossa vida. Aqui, em Bolonha, está tornar-se uma tradição organizar por ocasião deste “DIA DO EIS-ME AQUI”, um pequeno Congresso, ou melhor, um dia para vivermos em fraternidade e amizade entre nós missionárias, familiares, família dehoniana, amigos e conhecidos que há muitos anos nos seguem. Este ano encontrámo-nos no dia 24 de Março no Auditório do “Villaggio del Fanciullo”. O dia era primaveril e começa com as chegadas, rostos conhecidos, abraços, exclamações e sorrisos, o clima festivo que nos caracteriza quando nos encontramos; chegaram de Grottammare, de S. Antonio Abate, de Milão, de Monguelfo, Conegliano, Bolonha e também de Via Guidotti; em casa ficaram apenas Ana e P. Albino, confiados aos cuidados de Cecília. Ana Maria dá-nos as boas-vindas “oficiais” e passa a palavra a P. Luca Zottoli scj ao qual foi confiada a reflexão da manhã sobre o tema “Venha o teu Reino”. Fazendo uma síntese rápida e pouco distanciada do acontecimento, devo dizer que foi grande a riqueza da reflexão e muitos e interessantes os motivos que emergiram. P. Luca introduz sublinhando que este Reino é a paixão, a ideia fixa, a “mania” de Jesus; e se no coração do Evangelho está a oração do Pai-nosso, no Pai-nosso o coração é “venha a nós o vosso Reino”. O reino é algo que esperamos, que ainda não existe de maneira completa; esperar este reino caracteriza a nossa vida, ao mesmo tempo o reino já está presente, “é aqui e agora”, está operante, é dinâmico; e os seus destinatários são os pequenos, os pobrese os pecadores. Um outro aspecto a ter presente, falando do reino, é que não deve ser entendido como normalmente o pensamos nós, com as nossas categorias humanas; então tentemos substituir a palavra “reino” com “Deus reina”. Como é que Deus reina? Servindo, dando a vida, vencendo a morte. Quando é que Deus reina? Quando a mulher pecadora é perdoada, quando Zaqueu se converte, quando o paralítico caminha. Quando cada um de nós diz sim à oferta que Deus nos faz. Jesus insere-se num contexto que esperava o advento do reino de Deus, um reino que melhorasse também a sorte do País sob a ocupação romana. O reino chega e é o próprio Jesus; comparado com os outros rabinos e mestres que eram escolhidos por quem os queria seguir, aqui é Jesus que escolhe e chama. “Eis-me aqui” pressupõe um chamamento da parte de Deus. O coração da mensagem do reino é a revelação que Deus é Abba=papá; a palavra foi inventada pelo próprio Jesus; numa cultura do sacro que separa nitidamente o sacro do profano o ponto central, o ponto de força é a relação com o Pai. A parábola mais incómoda sobre o reino de Deus é a de Mateus 20, 1-16: os operários mandados para a vinha. É uma das parábolas que nos baralha saudavelmente e nos faz perceber que Deus não é como o queremos nós; para Deus existem os filhos, que para ele são todos primeiros. Deus reina não respondendo ao mal com o mal, mas assumindo-o sobre si, que é a única maneira de o vencer; a morte é mais forte do que a vida, mas mais forte do que a morte é o Amor que restitui a vida de maneira mais forte e mais plena. O amor de uma pessoa que esteve dentro do mal oferece-nos a possibilidade de voltar a partir, qualquer que seja a situação em que nos encontremos, e esta possibilidade parte sempre d’Ele e não de nós; Ele entra com as portas fechadas. Deus Reina e nós damo-nos conta vendo os resultados que são, concretamente, as pessoam que mudam. Os apóstolos que eram pessoas medrosas e tímidas acabaram todos mártires. A reflexão apresentada é verdadeiramente um válido instrumento para aprofundar e incarnar na nossa vida. Como sugestão fomos convidados a retomar nas nossas mãos a “Evangelii Nutiandi” de Paulo VI, ainda um texto muito válido para reflectir sobre a centralidade do Reino de Deus. Dirigimo-nos depois para a capela do “Studentato” para participar na Eucaristia, momento central deste dia, momento privilegiado que reforça a comunhão com Deus e entre nós que estamos presentes aqui, com toda a CM espalhada pelo mundo, e aquela que nos acompanha do céu. O almoço é um outro momento festivo vivido com simplicidade, e é também um momento para trocarmos notícias, recordar pessoas conhecidas e acontecimentos que vivemos juntos. Conversas ora sérias ora brincalhonas enquanto saboreamos o que nos é servido e, estando em Bolonha, não podem faltar...as lasanhas no forno! Na parte da tarde escutamos uma intervenção de P. Marcelo scj que, com uma linguagem simpática e fluida, partindo do dia 4 de Novembro de 1912 faz um percurso através dos 100 anos da presença dos Dehonianos na cidade de Bolonha. São várias as iniciativas que este ano celebrarão este centenário, e é belo ver que também esta nossa iniciativa CM é assinalada e comparece no calendário deste centenário. Ao chegar a 1957, a palavra é dada à Lúcia Correia que continua com a história deste ramo CM, nascido daquela única árvore, que tem as suas raízes no carisma de Padre Dehon e que se alimenta e cresce indo beber à fonte da espiritualidade do Coração trespassado de Cristo. Também Giannina, que nestes dias regressou de Moçambique, se insere com um testemunho concreto sobre a sua e nossa presença em Moçambique. Chegamos assim à hora das partidas e das saudações finais que levam cada um a voltar a casa, a regressar às nossas realidades quotidianas, onde somos chamados a responder concretamente “EIS-ME AQUI”. Como todas as experiências que se vivem o importante é como se vive o depois. E penso que termo-nos detido juntos, termo-nos carregado e reforçado na comunhão, nos ajudará sem dúvida a caminhar com mais força e entusiasmo na estrada...em direcção ao Reino.
contemplo el crucifijo
 
Comenzando el mes de abril y a las puertas de la Semana Santa les comparto una reflexión … quiere ser el corolario de los ejercicios espirituales de San Ignacio que pude realizar a partir de la radio en esta cuaresma… Aprender a sentir profundamente, sin asustarse, es gracia. Aprender a orar es gracia. Aprender a crecer es gracia. Pero es también un proceso que va a requerir esfuerzo, disciplina, trabajo para unificar las energías dispersas. EL REY Momentos después de la muerte de Jesús me encuentro de pie sobre la colina del Calvario, ignorante de la presencia de la multitud. Es como si estuviera yo sola, con los ojos fijos en ese cuerpo sin vida que pende de la Cruz. Observo los pensamientos y sentimientos que brotan en mi interior mientras contemplo…Miro al crucificado despojado de todo… Despojado de su dignidad, desnudo frente a sus amigos y enemigos… Despojado de su reputación. Mi memoria vuelve a los tiempos en que se hablaba bien de él… Despojado de todo triunfo. Recuerdo los embriagadores años en que se aclamaban sus milagros y parecía como si el Reino estuviera a punto de establecerse… Despojado de su credibilidad: “De modo que no pudo bajar de la Cruz… de modo que no pudo salvarse a sí mismo” – debió de ser un farsante! Despojado de todo apoyo. Incluso sus amigos que no han huido son incapaces de echarle una mano… Despojado de su Dios – el Dios a quien creía su Padre, de quien esperaba que iba a salvarlo en el momento de la verdad… Lo veo, por último, despojado de la vida, de esa existencia terrena a la que, como nosotros, se aferraba tenazmente y no quería dejar escapar… Mientras contemplo ese cuerpo sin vida, poco a poco voy comprendiendo que estoy contemplando el símbolo de la suprema y total liberación. En el hecho mismo de estar clavado en la cruz adquiere Jesús la vida y la libertad. Hay aquí una parábola de victoria, no de derrota, que suscita la envidia, no la conmiseración. Así pues, contemplo ahora la majestad del hombre que se ha liberado a sí mismo de todo aquello que nos hace esclavos, que destruye nuestra felicidad… Y al observar esta libertad, pienso con tristeza en mi propia esclavitud…soy esclavo de la opinión de los demás. Rememoro las veces en que he huido del riesgo y de la dificultad, porque odio cometer errores…o fracasar… Soy esclavo de la necesidad de consuelo humano… ¡Cuántas veces he dependido de la aceptación y de la aprobación de mis amigos…y de su poder para aliviar mi soledad…! ¡Cuantas veces he sido absorbente con mis amigos y he perdido y quitado libertad…! Pienso en mi esclavitud para con mi Dios…pienso en las veces que he tratado de usarlo para hacer mi vida segura, tranquila, carente de dolor… Y también las veces que he sido esclavo del temor hacia él y de la necesidad de defenderme de él… Por último, pienso cuán apegada estoy a la vida…cuan paralizada estoy por toda clase de miedos, incapaz de afrontar riesgos por temor a perder amigos o reputación, por temor de verme privada del éxito, de la vida o de Dios… Y entonces miro con admiración al crucificado, que alcanzó la liberación definitiva en su pasión, cuando luchó con sus ataduras, se liberó de ellas y triunfó. Observo las interminables hileras de personas que en todas partes se postrarán de rodillas, hoy, viernes Santo, para adorar al crucificado… Yo hago mi adoración aquí, en el Calvario, ignorando por completo a la ruidosa multitud que me rodea…me arrodillo y toco el suelo con mi frente, deseando para mí la libertad y el triunfo que resplandecen en ese cuerpo que pende de la cruz. Y en mi adoración oigo cómo resuenan en mi interior aquellas palabras: “Si deseas seguirme, debes cargar con tu cruz…” Y aquellas otras: “Si el grano de trigo no muere, queda solo…” ¡Que vivamos una profunda y fecunda Semana Santa acompañando a Jesús en esta increíble Historia de amor por el Padre y por la humanidad entera!
fiesta "necesaria"
 
Muy queridos, el mes de junio, dedicado al Sagrado Corazón, nos hace reencontrarnos, y unidos en la comunión de oración nos ofrece la ocasión de renovar nuestra adhesión a la CM y volver a poner al centro de nuestra vida el Corazón de Cristo y su mensaje. Esta fiesta, podemos decir, nos es “necesaria” para reavivar en nosotros el don que nos ha sido dado; para comprender cada vez más el misterio del amor gratuito de Jesús por cada uno; para contemplar el amor y la fidelidad de Jesús. Nuestra espiritualidad y misión encuentran vida en el “ volver la mirada hacia Aquél que traspasaron ” y de esta contemplación obtenemos además el don de la Fidelidad. Fidelidad: A nuestro bautismo; Al sí dicho a Cristo en la CM; A la obediencia a Dios, a la Iglesia; A nuestro Estatuto, al cual adherimos en total libertad; Al carisma y a la misión; A la oración, Al permanecer en nuestro puesto con rostro sereno; Al mantenernos en la fatiga de todos. Así podremos buscar la presencia del Dios-Amor, en los surcos de la historia; contemplarlo también en los lugares más lejanos e impensados, buscando los muchos “tabernáculos” presentes dondequiera que vivamos: en la creación…; en el corazón de cada persona; en las situaciones de sufrimiento; en los momentos de alegría; en la precariedad y en la pobreza; en la enfermedad. Todos son tabernáculos donde adorar el misterio de la presencia de Dios, podremos así transformar las tantas heridas de la humanidad. También de estas heridas puede brotar el agua y la sangre. El comprometernos en la oración para poder vivir este mes de junio, nos ayuda a reavivar el don de la fidelidad. Volver la “mirada a Aquél que traspasaron” se convierte para nosotras en una escuela que nos enseña como debemos entregarnos sin cálculos ni medidas. Sugiero, para este mes, rezar las Letanías del Sagrado Corazón , porque están llenas de significado y nos ayudan a contemplar este Corazón bajo muchos aspectos. Cada uno eliga una u otra expresión que mejor represente su propia vida en este momento y ore en beneficio de todos, y con esta oración le repetimos también a El “Tú nos eres necesario”. Oremos así en beneficio de todos. ¡ Felicidades a todos y buen mes de junio! ¡Que nos bendiga el Corazón de Cristo, horno de ardiente caridad! Y que María nos ayude a volver la mirada hacia el crucificado.
1 . 2 . 3 . 4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9 . 10 . 11 . 12 . 13 . 14 . 15 . 16 . 17 . 18 . 19 . 20 . 21 . 22 . 23 . 24 . 25 . 26 . 27 . 28 . 29 . 30 . 31 . 32 . 33 . 34 . 35 . 36 . 37 . 38 . 39 . 40 . 41 . 42
Logo
COMPAGNIA MISSIONARIA DEL SACRO CUORE
Via A. Guidotti 53, 40134 - Bologna - Italia - Telefono: +39 051 64 46 472

Follow us on Facebook